Segunda, 19 de agosto de 2019
(89)999750787
Piauí

13/08/2019 às 14h54 - atualizada em 13/08/2019 às 15h07

203

Redação

Cristino Castro / PI

Secretaria de Segurança Pública os nomes dos PMs presos em operação acusados de fraude e furto no Piauí.
O objetivo da operação é dar cumprimento a nove mandados de prisão.
Secretaria de Segurança Pública os nomes dos PMs presos em operação acusados de fraude e furto no Piauí.

A Secretaria de Segurança divulgou o nome dos oito policiais militares presos na OPERAÇÃO FRAUDULENTI, acusados de fraude à certame de interesse público, furto e associação criminosa. O nono preso, Antônio Yuri, é dono de uma gráfica e seria o responsável por vazar o gabarito da prova. 


1. Gitã Duarte Ferro (Preso em São Luís, Maranhão) 


2. Antônio Francisco Mendes da Silva 


3. Fernando Coutinho dos Santos


4. Danilo Barros e Silva


5. Bráulio Siqueira Candido de Sousa (Simões| Piauí)


6. Gezza Duarte Ferro 


7. Geová Gomes da Silva 


8. Francisco de Assis Gonçalves da Silva (Simões/Piauí) 


9. Antônio Yuri Rodrigues da Cruz Neto 


De acordo com a delegada Tatiana Fregueiro, a investigação iniciou após a confissão de alguns presos em operações anteriores. “Essa investigação teve início em 2015 quando após o concurso, um funcionário de uma gráfica acabou confessando que pegou a prova e repassou para outros candidatos.


A gente está no curso das investigações, hoje foram cumpridas nove prisões temporárias com mandados de busca e apreensão”, afirmou. 


Segundo ela, o líder do grupo é o Gitã Duarte Ferro, que foi preso em São Luís, no Maranhão. “Tudo surgiu do furto da prova, existem provas do vazamento, não existe prova do comercio do gabarito, há indícios de que outros militares tenham entrado no concurso através do mesmo esquema criminoso”, disse ela.


“Agora será dado início ao conselho de disciplina para apurar a possibilidade da exclusão deles, se comprovado a fraude serão excluídos, existe o tempo previsto regulamentar como no caso do inquérito poderemos extrapolar esse prazo até chegar a uma investigação bem feita, as vezes o prazo é de 30 dias mas temos que fazer uma apuração bem feita, vamos procurar fazer o mais breve possível”, afirmou o coronel Costa Lima. 



FONTE: Meio Norte

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium