Segunda, 19 de agosto de 2019
(89)999750787
Justiça

03/08/2019 às 00h25 - atualizada em 03/08/2019 às 00h34

100

Redação

Cristino Castro / PI

Justiça condena dono de perfil de humor a indenizar idoso em R$ 100 mil por uso indevido de foto que virou MEME
Imagem de João Nunes Franco, de 91 anos e morador de Goiás, passou a ser divulgada com frases pejorativas pela página 'Te Sento a Vara'.
Justiça condena dono de perfil de humor a indenizar idoso em R$ 100 mil por uso indevido de foto que virou MEME

A Justiça condenou o dono de um perfil nas redes sociais a pagar indenização de R$ 100 mil pelo uso indevido da foto de um idoso, com a qual foram criados vários memes. Batizada de "Te Sento a Vara", a página tem mais de 4,4 milhões de seguidores e utilizava a imagem acompanhada de frases consideradas pela decisão como "depreciativas e preconceituosas". A decisão cabe recurso.


O idoso retratado na imagem é João Nunes Franco, que atualmente tem 91 anos e mora com a mulher em Cristalina, cidade goiana do Entorno do Distrito Federal.


O proprietário da página, Henrique Soares da Rocha Miranda, se defendeu no processo alegando que, em 2012, a imagem circulava na internet e, por isso, acreditou que se tratava de "conteúdo de domínio público; de uso livre". Disse ainda que "não possui nenhuma responsabilidade pela divulgação da imagem" do idoso.


O G1 entrou em contato com o advogado Leandro Silva de Menezes, que consta no processo como representante de Hugo, por telefone, entre 14h e 14h15 desta sexta-feira (2), mas as ligações não foram atendidas.


'TE SENTO A VARA'


Com a criação do perfil, memes com a imagem de João viralizaram. Ela era divulgada sempre acompanhada de uma frase, como "Te sento a vara moleque baitola", "É 8 ou 80...Mas se for 69 serve" e "A vida não tá fácil...mas eu tô".


Conforme o documento, após a divulgação, Henrique requereu junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) o registro da marca.


A partir disso, criou outro perfil, chamado @lojasentoavara, onde passou a vender itens como camisetas e bonés com a caricatura do João.


A decisão judicial determina ainda que sejam interrompidas a comercialização de qualquer item ou imagem alusiva ao idoso.


Atualmente, o perfil utiliza uma caricatura de João.



OFENDIDO


Em seu pedido, os representantes do idoso sustentaram que ele, ao saber que sua foto estava sendo utilizada daquela forma, ficou "bastante ofendido".


"Ele se sentia muito irritado, muito bravo. Não gostava de falar sobre o assunto. Achava um absurdo", disse ao G1 a comerciante Lúcia Nunes Franco, de 65 anos, que diz ser a autora da foto original, no início da década de 1970.


João tem cinco filhos, 11 netos e 14 bisnetos. Fez a vida como trabalhador rural na cidade.


Segundo a ação, a foto foi cedida somente para uso em um blog chamado "Gente de Campo Alegre", de Campo Alegre de Goiás, de onde João é natural, que conta a história de pessoas daquela cidade.


Após os memes começarem a surgir, a família pediu ao blog que retirasse a foto do ar, o que foi prontamente atendido.


SITUAÇÃO VEXATÓRIA


Em seu despacho, o juiz Thiago Inácio de Oliveira salientou que a prova documental apresentada no processo é suficiente para constatar que Hugo "violou o direito de imagem" do idoso.


Ainda conforme o magistrado, a ampla divulgação da imagem aliada às frases deixou o idoso em uma situação "vexatória".


"Revela-se inquestionável que um idoso prestes a completar 92 anos de idade, nascido nos idos de 1927, no interior de Goiás, sertanejo (folha 15), que guarda consigo tradições e costumes divorciados da desvairada era da internet mal usada, abala-se psicologicamente ao deparar-se com sua imagem vinculada a situações extremamente vexatórias, sem contar que difundida mundo afora", destacou na decisão.


Oliveira afirmou "que uma imagem encontrada na internet, ainda que publicada por um terceiro, não a torna de domínio público" e que a autorização para uso da mesma é imprescindível.


Por fim, evoca os direitos constitucionais da personalidade e da pessoa idosa para embasar sua decisão e conclui que a culpa, neste caso, "mostra incontestável".


FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium